Informação tricholoma equestre

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Informação tricholoma equestre

Mensagem  ZecTarius em Ter 18 Maio 2010, 14:43

Olá amigos,

Apesar de consumir Tricholoma equestre, mas por achar muito importante, devo partilhar esta informação com todos vocês que tenho andado a ler ultimamente. Que já foi muito debatida aqui no forum, mas nunca em demasia para uma questão como esta.

Traduzido por google:
O fungo Tricholoma equestre foi sempre considerado excelente comestível, nas últimas pesquisas é responsável por intoxicação grave, causando uma doença muscular degenerativa: rabdomiólise, que resulta, infelizmente, muitas vezes em morte.

The New England Journal of Medicine descreve 12 casos de rabdomiólise, incluindo três mortes ocorreram na França após a ingestão (alimento rico e recorrentes) de Tricholoma equestre.
A rabdomiólise é uma doença degenerativa dos músculos, conhecida atos agente tóxico, destruindo as células do músculo esquelético e no curso da doença pode ser afetada de rim e músculo cardíaco, até sua morte.
Na maioria dos casos (nove dos doze) foi capaz de regenerar o músculo e os pacientes estão totalmente curados.
O caso do Tricholoma equestre acho que uma grande quantidade de controle dos trabalhadores micológicos, antes consideradas espécies comestíveis é incluída nos anexos I e II do DPR 376/1995 e, recentemente eliminada pelo Despacho do Ministério da Saúde, de 20 de Agosto de 2002.

A questão vai surgir em muitos micologistas colegas, o seguinte, como muitas outras espécies comestíveis são potencialmente tóxicos?

A micotossicologica é uma ciência muito recente, apenas algumas espécies em grande parte os "mortais" teêm efeitos que têm sido estudados e relacionados com toxinas. Muitas espécies no passado foram consideradas excelentes comestíveis como Gyromitra esculenta ou Paxillus involutos foram responsáveis por intoxicações e mortes terríveis, então:
O Gyromitra esculenta, Paxilus involutus e Tricholoma equestre são o exemplo de fungos que, quando consumido em pequenas doses não causam problemas óbvios, mas, quando tomado em determinadas condições: refeições repetidas, cozimento inadequado, causam sérios danos ao organismo. Além disso, não se pode excluir que mesmo as baixas doses não o causam, pois também são cancerígenas ao longo do tempo.


Outro exemplo é a síndrome orellana citotóxica. Micologistas afirmaram que Korado Maublanc, etc Pillat descrito em vários textos científicos, o Cortinarius orellanus como uma espécie inofensiva comestível, mas em 1957 o Dr. Grzymała descreveu vários casos de intoxicação em uma área em torno da Polónia Posen de 102 casos, incluindo 11 com fatal dentro de um ano, todos tinham comido o C. orellanus envenenado, o período de incubação foi muito longo 3-15 dias e mais de farinha.
Em casos graves, a morte ocorreu dentro de 6-161 dias por nefrite tóxica, somente em 1962 após uma longa busca dr. Grzymała conseguiu encontrar a toxina responsável e chamou apenas orellanina.
O homem então se encontra involuntariamente servir de cobaia. Uma história que é contada é a do micologista grande italiano, James Abbot Bresadola que a segunda metade dos 800 oferece aos seus companheiros, ele cogumelos recolhidos e, em seguida, classificá-los em seu trabalho em micologia ou cogumelos venenosos bom!
E 'desejável em todo o país estão habilitadas inspecção Micologia, ligada ao regional e extra-regionais e por sua vez são ligados às bases de dados dos centros de veneno na Europa, a única maneira de o relatório da nova espécie "tóxicos".

A Secretaria Nacional já há algum tempo em nosso site um pequeno banco de dados de intoxicação por cogumelos, a fim de dar informações úteis aos colegas de trabalho todos os dias neste trabalho delicado.
Secretário-Geral Adjunto
Contacto da Associação Nacional de Inspectores mycologists John SMITH
E-mail: micotec@libero.it

Micotossicologica:
= Espécies Tricholoma equestre
Latency = 24-72 horas e mais
= Toxina ainda é desconhecida (nos ensaios todos os extratos de T. equestre provaram tóxico para ratos, ambos os extratos com a água do que aqueles com clorofórmio / metanol)
Lethal dose = 500 gramas de Tricholoma por três dias (e repetido grandes refeições)
= Sintomas de fadiga e fraqueza muscular acompanhada de mialgia durante as primeiras 24-72 horas após a última refeição de cogumelos. A fraqueza muscular piora durante 3-4 horas com uma demonstração da rigidez dos membros e presença de urina escura acompanhada de eritema facial, náusea moderada, mas sem vômitos, sudorese intensa. Possibilidade de morte.

(Fonte consultada: Bedry R. et al Breve Relatório Wild Mushroom intoxicação como causa da Rhabdomyolsis)


DESPACHO DO MINISTRO DA SAÚDE agosto 20, 2002
"No conjunto, a comercialização ea preservação do epígeos cogumelo RIDING Tricholoma chamado."
(JO n º 201, de 2002/08/28)

O Ministro da Saúde
Dada a lei abril 30, 1962, n. 283, que regulamenta a produção e venda de higiene dos géneros alimentícios e bebidas;
O Despacho do Presidente de Março 26, 1980, n. 327, que estabelece a aplicação da Lei 30 de abril de 1962, n. 283, e alterações posteriores, relativa à regulação da produção e venda de higiene dos géneros alimentícios e dellebevande;
Tendo em conta o Decreto Legislativo 26 de maio, 1997, n. 155;
Dada a lei agosto 23, 1993, n. 352, que estabelece o quadro em matéria de recolha e comercialização de cogumelos frescos e epígea preservada;
O Despacho do Presidente 14 de julho de 1995, no 376, relativo à regulamentação da coleta e comercialização de cogumelos frescos e conservados epígea;

Não quero provocar controvérsia ou discussão, apenas dar a conhecer a todos como eu (pouco conhecedores desta informação) o que se vai analisando/descobrindo acerca da toxicidade desta ou outras espécies que são potencialmente perigosas para os seres humanos, ainda para mais um cogumelo tão apreciado e colhido no nosso Portugal.

Mais informações em: http://www.unpisi.it/unpisiOLD/Micotossicologia.htm
Como já havia referido, apesar de colher e comer T.equestre, acho que de agora em diante vou ter esta informação em conta até os entendidos na matéria chegarem a uma analise em concreto.

Abraços,
zt

ZecTarius
Carpóforo
Carpóforo

Número de Mensagens : 231
Fungónimo : Lactarionomano
Reputação : 1
Data de inscrição : 20/10/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Informação tricholoma equestre

Mensagem  Pedro Claro em Ter 18 Maio 2010, 17:05

Obrigado pela sistematização.

Mas convém lembrar duas coisas:

a) isto não é novidade - já se conhecem estes resultados há quase uma década;
b) outros testes efectuados com ratos chegaram à mesma conclusão - mas com outras espécies comestíveis, como Boletus edulis, Cantharellus cibarius, etc.

Portanto, nada como moderar o consumo, seja qual for a espécie...

Pedro Claro
Basidiocarpo
Basidiocarpo

Número de Mensagens : 1398
Idade : 44
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/12/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Informação tricholoma equestre

Mensagem  ZecTarius em Qua 19 Maio 2010, 10:38

Olá Pedro,

Já tinha ouvido falar deste assunto, mas nunca tinha dado a devida atenção, talvez por sempre ter colhido e comido esta espécie e nunca ter tido sintomas de nada. É o meu arroz preferido.
Para mim isto é novo, e não devo ser o único. É bom estar informado, nunca é tarde, não achas Pedro!?
Humanos não são ratos. O organismo e o porte são diferentes, e teem comportamentos diferentes, a meu ver acho que nem sempre os testes com ratos são acertados.
Os casos em França, com humanos, que tiveram rabdomiólise não foram testes, ao que parece aconteceu mesmo.
E devemos ter isto em conta.


Abraço,
zt

ZecTarius
Carpóforo
Carpóforo

Número de Mensagens : 231
Fungónimo : Lactarionomano
Reputação : 1
Data de inscrição : 20/10/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Informação tricholoma equestre

Mensagem  Pedro Claro em Qua 19 Maio 2010, 18:43

Certo, mas então como explicas que esta espécie seja, provavelmente, uma das (senão a) mais consumidas em Portugal e não existam casos conhecidos?

E está mais que provado que o problema foi o excessivo consumo. Os casos com desfechos fatais ocorreram em pessoas que consumiram cerca de 20kg de Tricholoma equestre em poucos dias, em vários repastos sucessivos. Não estamos a falar apenas de intoxicações - estamos a falar também, e sobretudo, de GULA! Já dizia Lavoisier: não há veneno, apenas dosagem. E nos ingerimos potenciais venenos diariamente: o equivalente em cafeína a 75 cafés seria o suficiente para matar um homem adulto. Ninguém bebe 75 cafés de uma vez, argumentarás tu... Certo! Mas também nunca imaginaria que uma pessoa pudesse consumir 20kg de cogumelos em poucos dias...

O que as experiências em ratos nos dizem é que nessas condições experimentais os ratos desenvolveram problemas semelhantes aos humanos que consumiram de forma excessiva T. equestre. Mas também se demonstrou que esses problemas resultaram, igualmente, do consumo (ou inoculação, ou seja lá qual for o método utilizado) de outras espécies 'ditas' comestíveis inequívocas (Cantharellus, Boletus edulis, etc.). Ora bem, se os testes com ratos não servem para nada, então para que se fazem? Por outro lado, se são de tomar em consideração, porque raio se condenou apenas uma espécie como 'maldita'? Por ter causado algumas mortes? Mas parece que muitos outros comestíveis têm esse potencial. Basta haver uma ocasião (uma época de enorme abundância de uma determinada espécie comestível), uma circunstância (alguém colher quantidades enormes dessa espécie e consumi-la em diversos repastos sucessivos) e um diagnóstico (um médico fazer a associação entre o problema registado e o consumo) e teremos mais uns quantos artigos publicados em revistas de medicina e outras - e possivelmente, mais uma ou outra espécie proscrita. Porque não se fez as coisas da forma mais pedagógica possível, apontado para a real causa das intoxicações - o excesso - e alertar as pessoas para a necessidade de moderar o consumo dessa e das outras espécies? A proibição, parece-me, só vai levar a pensamentos do tipo: "eu sempre comi, o meu pai sempre comeu, o meu avô sempre comeu, portanto não faz mal". Uma medida pedagógica poderia levar, em contrapartida, a uma efectiva moderação no consumo e, consequentemente, à diminuição ou irradicação de casos como os descritos - e afinal, não deveria ser esse o objectivo???

Eu não deixei de consumir T. equestre; continuo a consumir - essa e as poucas outras espécies de cogumelos que como com frequência - como sempre o fiz: com moderação!

Pedro Claro
Basidiocarpo
Basidiocarpo

Número de Mensagens : 1398
Idade : 44
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/12/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Informação tricholoma equestre

Mensagem  ZecTarius em Seg 24 Maio 2010, 22:46

Acredito no que dizes Pedro, vindo de ti não duvido.
Era esse tipo de informação que procurava, e é de tal maneira explicita que acho que devia estar num tópico "mãe"!
Será mais fácil assim informar a todos como eu que desconhecem esta informação, que é preciso moderar o consumo da maioria das espécies que podem provocar em quantidades excessivas um envenenamento lento que pode trazer algum desfecho menos agradável para algum membro do nosso forum ou não. E menciona-las.
E também as que deviam ser mais protegidas (ex: não colher Colus hirudinosus, etc).

O que pretendo com este tópico é, que todos aqueles que querem aprender a colher cogumelos quer seja para identificação ou apenas para gastronomia tivessem sempre este tipo de informação em conta.
Quer para preservação dos fungos, ou da nossa própria vida.

Abraços,

ZecTarius
Carpóforo
Carpóforo

Número de Mensagens : 231
Fungónimo : Lactarionomano
Reputação : 1
Data de inscrição : 20/10/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Informação tricholoma equestre

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum